Dicas de Paris

Como viajar de trem na França?

Como viajar de trem na França?

O país tem uma malha ferroviária de mais de 30 mil quilômetros! Ela liga Paris às principais cidades francesas! Por isso, a viagem de trem pela França está ao alcance de todos. Saiba como comprar as passagens de trem pela internet, pegar e não perder o seu trem que vai te levar ao seu tão sonhado destino na França e na Europa!

“Than, than, than, ran…” Sim, você escutou o jingle da Société Nationale des Chemins de fer Français (Sociedade Nacional dos Trens de Ferro Francês) – SNCF. Esse som, que serve para identificar a marca SNCF e avisar as partidas de trem, fica na cabeça de qualquer pessoa que entra em uma estação na França. E sim, você está prestes a embarcar e a conhecer mais uma cidade incrível!

Os trens são o meio de transporte prioritário para circular em todos os seis lados desse grande hexágono! De Paris, você pode ir para as principais cidades da França: Reims, Lyon, Bordeaux, Marselha, Nice, Cannes, Saint-Tropez, Aix-en-Provence e tantas outras. E com uma grande vantagem, o Train à Grande Vitesse (Trem de Grande Velocidade) – TGV para alguns destinos! Ele chega à 320 km/h! Desse jeito, você faz uma viagem de Paris – Marselha (751 quilômetros) em apenas três hora e quinze minutos, em média! E, claro, sem nenhum perigo de estrada e tranquilo, sentado na poltrona do trem, lendo seu livro, revista, jornal, guia de viagens, tirando um cochilo…

E quem disse que os trens de Paris circulam somente dentro da França? Não, você pode ir de trem para vários países da Europa como Inglaterra, Alemanha, Holanda, Bélgica, Espanha, Portugal, Itália, Rússia… são muitas opções (Veja abaixo na lista das principais estações de trem!)!


Por que viajar de trem pela França?

viajar de trem pela França
Foto: Pixabay

Além de emitir menos gás carbônico na atmosfera, o trem muitas vezes é mais vantajoso que o avião porque você sai do centro de uma cidade (dependendo da estação) e chega no centro da sua destinação. Não precisa chegar com muitas horas de antecedência (claro, é sempre bom chegar pelo menos meia hora antes e prever os possíveis imprevistos…) e gastar horas no trânsito para chegar ao aeroporto ou ao centro do seu destino.

Para nós do Meia Noite em Paris que adoramos uma bicicleta, o trem é um grande aliado! Isso porque podemos levar nossa magrela dentro dos vagões para ir às principais cidades francesas. Já pensou em conhecer o Vale do Loire e seus vários castelos de bike? Sim, é possível! É só pegar um trem até uma cidade central do Vale, como Tours ou Blois, e levar a sua bicicleta com você dentro do trem!

E se você acha que está bom demais para ser verdade, ainda tem o fato da simplicidade! Sim, não é difícil comprar passagens de trem e vamos te explicar tim-tim-por-tim-tim.


Guia prático para comprar passagens de trem na França

Primeiro passo é você ligar o computador, tablet ou smartphone, estar conectado e entrar no site da SNCF: https://www.sncf.com/fr

Assim que entrar, você vai ver um quadrado com as abas “itineraires” (itinerários) e “réserver” (reservar). Então, você vai clicar em “réserver” e será encaminhado para outro site: https://www.oui.sncf/billet-train (neste link você pode entrar diretamente).

Agora, é preciso preencher as informações da sua viagem:

Em “voyage” (viagem), clique em “aller simple” (somente ida) ou “aller-retour” (ida e volta).

Depois, você deve preencher o seu “départ” (origem). Se sair de Paris, colocar “Paris tous les gares” (Paris todas as estações). E, logicamente “destination” (destino), a cidade para onde vai.

O próximo passo é definir as datas de ida e volta. “Aller le” (Ir em) e “Retour le” (retorno em). Note que há as opções de “départ à” (partida às) e “arrivée à” (chegada às) é o quadro de horas. Isso é para você preencher somente se quiser viajar a partir de um horário ou chegar no lugar em tal horário. Preste atenção se esse quadro está preenchido corretamente. Se não, você terá somente algumas opções de trens de acordo com o horário que estiver preenchido.

Se quiser apenas opções de “trajet direct” (trajeto direto), marque o quadradinho. Logo embaixo, você encontra a opção “votre confort” (seu conforto) e tem as opções de 1ª e 2ª classe. A diferença é que, na primeira classe, as poltronas são maiores e mais confortáveis. Já a segunda é mais econômica, mas confortável também (melhor que nos aviões, com certeza!).

Para finalizar, não se esqueça de dizer quantos passageiros – “nombre de passagers”. Além disso, você deve colocar a idade de cada um deles. Ignore o resto porque, normalmente,  são campos para ser preenchidos somente para moradores da França.

Com todos os dados, você já pode lançar sua pesquisa. Depois de um tempinho, você vai ter várias opções de trajetos. Escolha qual for melhor para você: mais barato, que sai e chega na melhor hora, com a duração menor do trajeto, etc.

Outro fator muito importante: verificar se seu bilhete é “ échangeable et remboursable”, ou seja, pode ser trocado ou reembolsado. Muitos não têm essa opção, mas oferecem preços mais em conta. Então, basta você ter certeza da data de partida e chegada se optar pela opção “non échangeable et non remboursable”.

Depois, é só comprar as passagens e colocar seus dados e do seu cartão.

Pronto, normalmente você deve receber um email confirmando a compra de suas passagens.

Caso não queira imprimir os bilhetes, você pode baixar o aplicativo da SNCF (disponível para Android e iOS), digitar a referência das passagens (Référence de dossier) e seu sobrenome (Nom associé). Há também o QR Code que você pode escanear com o seu smartphone.


Algumas dicas para “não perder o trem”

  • Verifique sempre qual é o melhor caminho do seu hotel ou apartamento para chegar na estação de trem. O Google Maps dá uma ideia aproximativa do tempo gasto de transporte público (ícone com o trem) e de carro – uber, taxi…  (ícone com carro), à pé (ícone com a pessoa andando) e de bicicleta (ícone com a bicicleta). Não se esqueça que é uma estimativa… O ideal é sair meia hora antes da estimativa do Google para não ter erro.
  • Pense que, em alguns casos deve-se andar muito dentro da estação de trem. Então, mais alguns minutos de antecedência para as andanças até o seu vagão…
  • Quando chegar na estação, você vai ver algumas tela com os “départs” (embarque) e os “arrivées” (desembarque). Verifique o número de seu trem e confira nas telas qual é o hall onde seu trem vai sair. Depois, olhe constantemente as telas onde eles informarão o número do “quai” ou “voie” (plataforma). Normalmente, eles avisam o número da plataforma uns 30 minutos antes da saída dos trens. Logo quando souber, direcione-se para a plataforma em questão e procure o seu vagão.
  • Você não baixou o aplicativo da SNCF e não está com os bilhetes no celular? Calma, ainda há uma solução! Quando chegar na estação de trem, você vai ver grandes máquinas da SNCF onde você poderá imprimir os seus bilhetes. Você vai ver na tela a opção “imprimer vos billets”. Como no aplicativo, você vai colocar a referência do dossier (composta de 6 letras) e seu nome (nom associé). Pronto, ela vai imprimir os bilhetes compridinhos.
  • Atenção, o bilhete compridinho impresso na máquina da SNCF deve ser validado antes de entrar no trem. Como? Você vai ver outras máquinas pequenas (normalmente fixas nas pilastras da estação de trem). Coloque seu bilhete lá dentro e ele será “composté”, ou seja, vai ter a data, a hora e a estação de trem impressa no seu bilhete. Uma vez “compostado”, você não pode mais trocar nem pedir reembolso das suas passagens.
  • Saiba também o número do vagão (voiture) e de suas poltronas (place). Na plataforma, há normalmente indicações com a letra da plataforma que corresponde ao número do seu respectivo vagão. Caso sua passagem não tiver o vagão nem o número das poltronas, não se desespere! Sente-se nas poltronas disponíveis e boa viagem!
  • Ao achar sua poltrona, sente e relaxe até a partida de seu trem!
  • Preveja uma garrafa de água e um lanchinho. Em alguns trens, há o vagão restaurante onde você pode comprar tudo isso. Mas o preço pode ser um pouco salgado, caso estiver com o orçamento curto. Nas estações de trem, há redes de sanduíches, croissants como Paul e Brioche Dorée. Se não tiver comprado nada antes, pode ser também uma boa opção.

Estações de trem parisienses e destinos

Para quem não sabe, “gare” quer dizer estação em francês. Elas são acessíveis pelos metrôs da cidade.
Se você chegar pelo metrô nas “gares”, quando sair, procure pelas indicações “Grandes lignes” (grandes linhas) com o desenho de um trem. Assim, você não terá problema para chegar até o hall da estação de onde eles saem.
Veja aqui as principais “gares” de Paris e para onde elas te levam:

Gare du Nord

Gare du Nord
Foto: Pixabay

A Estação do Norte só perde em tamanho para as japonesas. Portanto, ela é a maior estação de trem da Europa! Além de ser a principal para a circulação dentro da região metropolitana de Paris.
Como seu nome já diz, ela liga Paris às destinos ao norte do país. É lá também que saem os trens internacionais para Londres, no Eurostar, e para a Bélgica e Holanda, no Talys. Em Colônia, na Alemanha, podemos fazer correspondência para a Escandinávia, Polônia e Rússia.
Principais destinos: Lille, Picardia (Amiens, Beauvais, Compiège, Senlis), Bruxelas – Bélgica, Amsterdã – Holanda, Colônia – Alemanha (Thalys), Londres (Eurostar).

Gare de Lyon

Gare de Lyon
By MbztOwn work, CC BY-SA 3.0, Link

A mais bonita de Paris! Gare de Lyon é imponente com sua bela fachada e seu relógio de 67 metros de altura! Podemos vê-lo de vários pontos perto da estação! Ela também é conhecida por abrigar um dos restaurantes mais emblemáticos da capital, Le Train Bleu (O Trem Azul).
Ela liga a capital ao centro e ao sudoeste da França (Borgonha, Auvergne, Rhône-Alpes, Languedoc-Roussillon, Provence-Alpes-Côte-d’Azur), Suíça, Itália, Espanha via a cidade de  Montpellier.
Principais destinos: Lyon, Annecy, Nice, Marselha, Grenoble, Aix en Provence, Avignon, Cannes, Montpellier, Turim, Veneza, Milão (Itália), Barcelona (Espanha), Geneva, Zurich (Suíça)…

Gare Montparnasse

A Gare Montparnasse foi marcada por um fato histórico da cidade de Paris: no dia 25 de agosto de 1944, o general Von Choltitz se rendeu na estação de trem iniciando a liberação da capital no fim da Segunda Guerra Mundial.
Ela liga a cidade às regiões oeste e sudoeste da França: sul da Normandia, Bretanha, Vale do Loire, Aquitaine, Midi-Pyrénéese nordeste da Espanha.
Principais destinos: Bordeaux, Toulouse, Brest, Chartres, Rennes, Nantes, La Rochelle, Tours…

Gare d’Austerlitz

Classificada como Monumento Histórico por sua bela fachada, a Gare d’Austerlitz se encontra em reforma até 2020. Mas os trens não pararam de circular por ela!
Ela liga Paris ao centro da França (Centro, Vale do Loire). Ela tem também o trem da noite (train de nuit) que circulam por Nice e Espanha.
Principais destinos: Tours, Orleans, Toulouse

Gare de l’Est

Para quem pensa que Orient Express é coisa do passado ou dos livros de Agatha Christie, está muito enganado!
O famoso e luxuoso trem ainda funciona e, de Paris, sai da Gare de l’Est (Estação do Leste).
A estação liga Paris à região leste do país e da Europa.
Principais destinos: Estrasburgo, Reims, Luxemburgo (Luxemburgo), Frankfurt, Munique (Alemanha)…

Gare Saint-Lazare

Ela já foi pintada por Monet e é a estação de trem que nos leva para Giverny e seus jardins!
Ela liga a capital à Normandia, região conhecida pelas suas iguarias como Camembert e a manteiga feitos com o delicioso leite das vacas normandas! Sem contar com suas lindas cidades como Trouville, Deauville, Étretat (cidade pintada inúmeras vezes pelos impressionistas).
Principais destinos: Trouville, Deauville, Le Havre, Rouen…


Greves de trem na França e outros imprevistos…

O ano de 2018 tem sido especial para a França com relação às greves de trem. O país ficou mais de 3 meses sem boa parte de suas viagens em protesto à reforma da SNCF prevista pelo governo de Emmanuel Macron. Os sindicatos dos ferroviários e os ferroviários (cheminots) reagiram mal às medidas esperadas pela reforma, entre elas:

  • Transformação da SNCF (sociedade pública) em sociedade anônima, o que causaria uma futura privatização da empresa;
  • Perda de alguns benefícios trabalhistas dos cheminots conquistados durante anos de trabalho;
  • Fechamento de pequenas linhas regionais;
  • Estratégias de pagamento da dívida da SNCF que soma mais de 45 bilhões de euros.

Por isso, muitos trens foram cancelados nos meses de abril, maio e junho prejudicando muitos passageiros. Muitos utilizam os trens diariamente para irem ao trabalho, etc. A greve aconteceu em dois a cada cinco dias!

Ela deveria durar 3 meses, mas como os sindicatos e os ferroviários ainda não tiveram respostas satisfatórias para as suas questões, ela se estendeu até julho… Por isso, é importante sempre verificar no site da SNCF se seu trem vai realmente partir ou não. Pelo menos por agora…


Foto de capa: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *