Dicas de Paris

Paris: a Capital da Bicicleta

Paris: a Capital da Bicicleta

Conheça as principais ações da prefeitura para transformar Paris na capital da bicicleta até 2020

“O progresso da bicicleta e o declínio do carro particular contribuirão para tornar Paris uma cidade mais agradável. Diante da urgência de preservar nosso meio ambiente e das fortes expectativas dos parisienses, devemos mostrar ambições fortes e duradouras: esse é o objetivo deste plano. Tornar Paris a capital da bicicleta é promover a nossa qualidade de vida e reduzir a poluição, além de embelezar a nossa cidade e reapropriar os espaços públicos”.

A frase acima é da atual prefeita de Paris, Anne Hidalgo. A prefeitura criou um ousado plano, chamado Le plan Vélo Parisien 2015-2020. Seu objetivo é transformar Paris na capital da Bicicleta. Apesar de estar muito atrasada em relação ao seu cronograma, a proposta é muito boa e merece ser acompanhada.

Confira, neste post, os principais pontos sobre o Le plan Vélo Parisien 2015-2020 e o progresso de sua implantação até o final de 2018.

Aumenta o número de bicicletas no mundo

O número de ciclistas tem aumentado em todo o mundo. Muito disso se dá pela expansão da consciência ambiental e pelo desejo da sociedade de recuperar os espaços públicos. Países de todos os continentes têm investido na malha cicloviária, principalmente nas grandes capitais e cidades mais conhecidas, a fim de incentivar o cicloturismo, aumentar o uso de bicicleta como transporte diário (para o trabalho, mercado, escola etc) e diminuir o elevado tráfego de carros.

São inúmeros os benefícios da bicicleta para a sociedade, dentre os quais se destacam:

  • Diminuição do trânsito de automóveis;
  • Menos poluição;
  • Maior integração entre as pessoas e a cidade;
  • Melhoria na saúde pública;
  • Incentivo ao turismo.
Aumenta o número de bicicletas no mundo
Foto: Pixabay

A Europa é um grande exemplo de investimento nessa modalidade de transporte. Muitas de suas cidades, como Amsterdam e Copenhagem, são referências globais no incentivo às bicicletas. Paris, agora, possui a grande ambição de se igualar e até superar essas cidades, tornando-se a capital da bicicleta.

Paris e as bicicletas

Embora Paris tenha ficado famosa por ter colocado aos olhos do mundo o eficiente sistema Velib – serviço de empréstimo a baixo custo de bicicletas -, que funcionou muito bem entre os anos de 2007 e 2017, a capital francesa está muito atrás de cidades como Copenhagem e Amsterdam, onde mais de 50% da população se locomove, diariamente, de bicicleta.

Estudos apontam que, até 2015, aproximadamente 5% dos parisienses se locomoviam de bicicleta. A base do Le plan Vélo Parisien é triplicar o número destes deslocamentos até o ano de 2020.

A cidade já conta com um bom conjunto de regras de trânsito voltadas para as bicicletas e muitas entidades e ações governamentais que incentivam o ciclismo.

Vale citar que, desde 2009, a prefeitura de Paris criou uma subvenção de apoio às pessoas que queiram comprar uma bike elétrica ou uma bike cargo, ou, então, que desejam trocar seu carro por uma bicicleta. A prefeitura ajuda com 33% do valor ou, no máximo, 400 euros para aquisição destas bicicletas. Todas as pessoas físicas que são domiciliadas em Paris podem receber este benefício.

Uma instituição que incentiva bastante o uso de bicicletas e o cicloturismo na Cidade Luz é a Meia-Noite em Paris. Oferecemos diversos passeios de bike pela capital francesa, inclusive o aclamado passeio noturno. Confira as nossas opções de passeios!

O projeto que promete transformar Paris na capital da bicicleta

Aqui, vou compartilhar com vocês todas as estratégias e investimentos da prefeitura de Paris para atingir a proeza de se tornar a capital da bicicleta. Além disso, faremos uma análise sobre como anda o plano, já que estou escrevendo este post no final do ano de 2018 e já é possível fazer um balanço de sua execução. Adianto que está bastante atrasado e, no final do artigo, farei uma avaliação das críticas sobre o projeto.

O projeto que promete transformar Paris na capital da bicicleta
Foto: Pixabay

O planejamento

Embora este plano esteja sendo colocado em prática desde 2015, o mesmo é planejado e discutido desde 2010. Os próprios ciclistas foram sondados para o desenvolvimento do plano, assim como a RATP (empresa autônoma responsável pelos transportes públicos parisienses), a polícia e outras associações.

Além disso, foi lançada, por meio da internet, uma enquete. Durante um mês, mais de 7.000 internautas compartilharam seus pontos de vista sobre quais seriam as prioridades para começar a ter uma cidade mais cicloviária.

Eu participei, sem querer, de uma das ações da prefeitura junto à polícia, e acho relevante compartilhar essa vivência com vocês, pois foi engraçada e muito enriquecedora.

Em 2014, eu estava pedalando a caminho do meu curso de francês. De repente, fui parada pela polícia, que alegou que eu havia passado por uma faixa de pedestres enquanto um cidadão atravessava.

Fiquei na dúvida, mas, de toda forma, não era uma infração grave. Quando olhei ao redor, percebi que acontecia uma “blitz”, e a polícia estava parando diversos ciclistas. Os policiais disseram que me aplicariam uma multa, mas ela poderia ser liberada caso eu optasse por participar de uma journée éducative (jornada educativa) sobre a bicicleta. Entendi, então, que se tratava de uma estratégia da prefeitura para reunir mais de 50 ciclistas para discutir sobre o tema e educá-los.

Optei por participar dessa jornada educativa, pois como trabalho com cicloturismo, vi uma grande oportunidade para reciclar meus conhecimentos sobre as regras de circulação de bicicleta em Paris.

As estratégias do plano

O investimento total do Le plan Vélo Parisien 2015-2020, que foi aprovado com unanimidade pelo conselho de Paris, é nada mais nada menos que a bagatela de 150 milhões de euros! É um budget inédito para a capital.

Confira, abaixo, as principais estratégias do plano, que tem como objetivo principal triplicar o número de viagens de bicicleta até 2020.

  • Aumentar de 700 km para 1.400 km a malha cicloviária de Paris: a cidade já possui uma malha cicloviária densa, porém muitos eixos estão desconectados, alguns itinerários são confusos e alguns eixos só permitem circulação em um sentido. O objetivo do plano é melhorar esta articulação de forma qualitativa, mas também quantitativa, como a criação de ciclovias expressas na Região Oeste, de Norte a Sul, e nas margens do Rio Sena. Algumas destas ciclovias já foram inauguradas entre os anos de 2017 e 2018, como é o caso do Les Berges de Seine, que corresponde à margem direita do Sena.
  • Aumentar o número de estacionamentos para bicicletas: estaria previsto até o final do projeto a criação de mais 10.000 locais para estacionar bicicletas na capital. Outra forte questão envolvida é a segurança, pois bicicletas são alvos fáceis de serem roubadas, especialmente se são mais caras ou elétricas (eu mesma já tive duas bicicletas roubadas em Paris). Atualmente, também não existem estacionamentos suficientes próximos dos espaços públicos e dos polos multimodais. A ideia é criar estacionamentos mais seguros e ao lado de todas as estações de trem, justamente para incentivar a intermodalidade.
bicicleta em paris
Foto: Pixabay
  • Implementação de mais Zonas 30 e Zona de Encontro: com o objetivo de oferecer mais conforto e segurança aos ciclistas, mais Zonas 30 estão sendo criadas na cidade. Zona 30 é um local onde a velocidade permitida para circulação de carros (especialmente dentro dos bairros) é de no máximo 30 km/h. Com a diminuição da velocidade dos carros, torna-se possível implementar mais doubles sens cyclabes, ou seja, mesmo nas ruas onde os carros podem seguir em apenas uma direção, a bicicleta pode circular no contra-fluxo. Além disso, a diminuição da velocidade permite que algumas ruas tenham uma mistura de todos os veículos e usuários, colocando o pedestre como prioridade e, depois, as bicicletas. Neste caso, os automóveis podem circular a uma velocidade máxima de 20 km/h.
Foto: Max Lerouge/Lille Metropole
  • Criação de 7.000 SAS e mais de 2.500 semáforos equipados com sinalização: SAS é um espaço reservado aos ciclistas na frente dos carros quando o semáforo está fechado. Este tipo de espaço permite ao ciclista se posicionar de forma mais segura em um cruzamento, especialmente para virar à esquerda. Além disso, também se promete aprimorar as placas de sinalização e, na realidade, já podemos ver essa sinalização bastante melhorada nos últimos anos.
  • Criação de mais rotas para o cicloturismo: essa é a parte que mais toca nosso coração! No Le plan Vélo Parisien 2015-2020, várias rotas turísticas estão previstas dentro da capital francesa. Além das pistas verdes adaptadas, como é o caso da Veloscenie que liga Paris ao Mont Saint Michel (450 km). Ela foi inaugurada em 2016, e eu tive o enorme prazer de testá-la a convite do Departamento de Turismo da Mancha, que administra esta ciclorrota.
  • Incentivo à cultura da bicicleta: além da ideia de se criar mais escolas e ateliers de reparação de bicicletas, que incentiva a economia circular (onde nada se perde, tudo se recicla). Criada em 2011, a Maison du Vélo é um local aberto a todos, com o objetivo de desenvolver o ciclismo, além de oferecer diversos serviços, informações e passeios gratuitos.
Foto: Pixabay

Avaliação

Bom, as ideias e propostas do plano que promete transformar Paris na capital da bicicleta parecem muito boas, não é mesmo? Mas como nós já estamos em 2019, vale a pena acompanhar como anda o progresso do Le plan Vélo Parisien 2015-2020.

A crítica, de uma maneira geral, diz que o projeto está bem atrasado.

A associação Paris en Selle criou, no início de 2017, um observatório do plano da prefeitura. De acordo com os cálculos da associação, apenas 12% da infraestrutura do plano foi implantada de modo satisfatório.

Além disso, o observatório aponta que alguns projetos foram abandonados ou realizados de forma insatisfatória, embora se assuma que é difícil mensurar as ações da prefeitura, uma vez que eles não possuem uma plataforma que reagrupe essas informações.

Segundo a associação, no ritmo que anda o plano, o mesmo só será concluído em 2027. Confira a evolução de cada ação prometida pelo prefeitura: Observatoire du Plan Vélo.

Bom, a gente fica aqui na torcida e a cada nova ciclovia a gente comemora! Vai Paris! Torcemos muito para que a cidade realmente se transforme na capital da bicicleta!

Caso deseje, você pode acessar o documento completo do Le plan Vélo Parisien 2015-2020.

Enquanto o plano não está totalmente concluído, que tal conhecer os melhores locais para passear de bike por Paris com a nossa equipe? Conheça os nossos passeios guiados e divirta-se com a gente!


Foto de capa: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *